Comissão Politica da Renamo impugna Eleições

 

A Comissão Política da Renamo firmou na tarde desta segunda-feira uma directiva que fala sobre o posicionamento do partido sobre as eleições gerais do passado dia 15 de Outubro. O documento sublinha o não reconhecimento dos resultados eleitorais que ainda em apuramento parcial, dão vitória a Frelimo e seu candidato.

Os resultados eleitorais em projecção dão uma maioria absoluta à Frelimo no parlamento e, ao nível das Assembleias Provinciais, mostrando o partido no poder no direito de eleger todos os governadores.

A Renamo contesta os resultados justificando com a ocorrência de fraude eleitoral. Através da directiva, o maior partido da oposição chama atenção a todos os moçambicanos a não aceitarem a mega fraude eleitoral, mas também deixa um desafio ao Presidente que na sua qualidade de Chefe de Estado, garante da Constituição da República e Comandante em Chefe das Forças de Defesa e Segurança esclareça publicamente a proveniência dos votos e urnas na posse dos membros da Frelimo, seu partido, fora do circuito dos órgãos eleitorais e esclareça igualmente a quem servem as Forças de Defesa e Segurança que ostensivamente e com fundos públicos se posicionaram em prejuízo da vontade popular.

“Não aceitar nem reconhecer os resultados da votação realizada no dia 15 de Outubro de 2019 e por consequência exigir a reposição da verdade eleitoral negada ao povo moçambicano em virtude das graves irregularidades que mancharam o processo na sua plenitude, instar a todos os moçambicanos a não aceitarem a mega fraude eleitoral e exigir a libertação imediata e incondicional de todos os membros da Renamo arbitrariamente detidos ao longo de todo o processo eleitoral”, explica a directiva.

Numa Reunião dirigida por Ossufo Momade, Presidente do partido, á Comissão Nacional de Eleições, a Renamo exige que se esclareça publicamente a circulação de boletins de voto fora do circuito dos órgãos eleitorais.

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content