Confronto entre autoridades municipais e ambulantes resulta em óbito em Massinga

 

A pacata vila municipal de Massinga, norte da província de Inhambane, acordou agitada, na manhã da última quarta-feira (30), na sequência de alguns confrontos registados entre a polícia municipal e os vendedores ambulantes.

Texo: Anastácio Chirute

Tudo começou quando as autoridades municipais naquele distrito tentaram, sem sucesso, proibir a comercialização dos produtos nos passeios e ao longo das vias. Em resposta, os vendedores ambulantes colocaram barricadas ao longo da EN1, pneus e ferros velhos, numa clara tentativa de impedir a livre circulação de viaturas e pessoas, em protesto contra a nova postura urbana emanada pelo Conselho Autárquico local. 

A circulação rodoviária ficou interditada por algumas horas e em consequência destes confrontos, uma pessoa perdeu a vida no local e outras nove contraíram ferimentos entre graves e ligeiros.

A Polícia da República de Moçambique, que esteve presente no local para conter a fúria popular, descreve a atitude dos vendedores ambulantes como negativa e apelou para que cumpram com as ordens.

“Não sabemos ainda quais as reais motivações que provocaram esses tumultos, é a primeira vez que a nossa vila municipal regista algo do género, a polícia municipal iniciou com uma actividade de sensibilização de todos os vendedores ambulantes a saírem dos passeios, a mensagem não foi acatada. Os vendedores devem aceitar desenvolvimento, de facto tivemos o registo de um óbito e alguns feridos graves e ligeiros”, reagiu Jona Feliciano, comandante distrital da PRM em Massinga.

Todas as nove pessoas que contraíram ferimentos entre graves e ligeiros foram socorridas de imediato para o hospital distrital de Massinga para o atendimento médico, enquanto a única vitima mortal foi evacuada para a morgue do hospital do mesmo nome.

A nossa equipe de reportagem conversou com alguns vendedores informais, que dizem estar dispostos a saírem da rua, mas alegam falta de espaços dentro dos mercados.

“Estão a nos dizer para irmos ao mercado, de qual mercado estão a falar? Todos os mercados estão ocupados, o que o município devia fazer é construir mais mercados para que nós possamos ir ocupar, sem isso, não vai ser possível nos tirarem daqui”, disse um dos manifestantes.

Durante os confrontos, além de vítimas humanas, houve também registo de danos materiais avultados. Algumas bancas e viaturas singulares foram vandalizadas. A ordem só foi restabelecida por volta das 22 horas do mesmo dia, quando a polícia disparou gás lacrimogéneo e balas de borracha.

Recordar que, a vila Municipal de Massinga é a mais populosa de Inhambane com uma população estimada em 184 531, de acordo com o senso de 2007, facto que contribui para o crescimento do comércio informal, aliado ao facto de estar localizada ao longo da EN1. 

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content