Secretário Provincial do PODEMOS na Zambézia ameaçado de morte

“Vamos te matar que nem um cão”

 

Valdemiro Mussoco, Secretario Provincial do partido PODEMOS na Zambézia, está a ser vítima de ameaças de morte, por via de uma suposta carta deixada por desconhecidos à porta de sua casa, denunciou, hoje, o porta-voz daquela recém criada formação política, Carlos Domingos Quembo.

Segundo Quembo, a referida carta com teor de ameaça de morte terá sido deixada na manhã desta segunda-feira e deixa claro que tem ligação com o trabalho político que tem estado a desenvolver a favor do PODEMOS.

Leia na íntegra o teor da carta que passamos a transcrever na íntegra: “Senhor Valdemiro Mussoco, professor da Escola 25 de Setembro de Quelimane, nós te conhecemos perfeitamente e estamos a acompanhar os seus movimentos e as suas actividades políticas abusivas, por isso, para o seu bem, te damos o seguinte aviso:

– Parar imediatamente com essa porcaria de aliciamento e recrutamento de membros de outros partidos, como forma de salvaguardar a sua vida e a vida da sua família;

– O não cumprimento deste aviso, fica a saber que vamos te matar que nem um cão;

– Este aviso é só para ti! Se entregar a polícia ou à imprensa, vai agravar a sua situação, porque vamos te matar na mesma;

– A única solução boa para ti e para a sua família, é só abandonar imediatamente as suas actividades políticas e dedicar-se à sua carreira de professor e ponto final! Depois não diga que não te avisamos. Quem avisa amigo é!”, lê-se.

Tendo em conta a gravidade das ameaças, ainda que de pessoas desconhecidas, o PODEMOS apela as instituições de garantia de justiça e de segurança em Moçambique para que trabalhem de forma justa e transparente para que os autores desta ameaça sejam devidamente responsabilizados e condenados, pois ameaça de morte constitui crime em Moçambique.

Num outro desenvolvimento, Quembo revelou que outros dois membros do Partido PODEMOS foram detidos, semana finda, no Comando Distrital de Dondo, província de Sofala, acusados de estarem a recolher documentos, como Bilhetes de Identidade e Cartões de Eleitor de pessoas para distribuir comida. Além disso, o partido denuncia ameaças de morte ao seu Secretario do Conselho Provincial da Zambézia.

Segundo o Partido, a informação de recolha de documentos é falsa e foi propalada pelo secretário do bairro de Mafarinha, na autarquia de Dondo, que inclusive fez questão de levar os agentes da Polícia da República de Moçambique para as casas dos membros do PODEMOS, ora detidos.

Para o PODEMOS, este caso constitui uma grave violação dos direitos humanos, pois, em Moçambique, segundo a lei, ninguém pode ser privado da sua liberdade sem que haja culpa formada e mesmo nos casos de prisão preventiva, deve haver matéria para faze-lo.

“Não há nenhum crime em causa. Recolher cartões de eleitor para distribuir comida não é crime em Moçambique. E não é o caso”, referiu hoje o porta-voz do partido, em conferência de imprensa.

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content