Especialistas debatem resiliência climática e gestão costeira

Numa altura em que eventos extremos como ciclones tem vindo a assolar o país com mais frequência e intensidade, o governo está em busca de soluções para fazer face às mudanças climáticas. Com efeito, à margem da I Conferência Internacional Crescendo Azul, que amanhã arranca, o Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural (MITADER), em coordenação com o Ministério do Mar, Águas Interiores e Pesca (MIMAIP), irá realizar uma sessão paralela, sob o tema resiliência climática e gestão costeira.

Texto: Dossiers & Factos

No evento serão discutidos temas sobre ecossistemas marinhos e costeiros; problemas e mecanismos de gestão; ordenamento territorial e marinho versus mudanças climáticas; poluição marinha; bem como a contribuição de Moçambique para o alcance do Objectivo de Desenvolvimento Sustentavel (ODS) 14 relativo às áreas de conservação marinha, ecossistemas costeiros e marinhos.

Na ocasião serão, partilhadas experiências da França, sobre a gestão de plásticos nos oceanos e a poluição derivada da exploração dos hidrocarbonetos.

Do Reino Unido, Moçambique vai absorver experiências sobre a aplicação de imagens satélite como ferramenta na gestão de risco costeiro; do Canadá sobre as áreas conservação marinha, e da África do Sul sobre Adaptação baseada em ecossistemas em Moçambique – Oportunidades Globais e desafios.

“Da Sessão Paralela espera-se como resultados que seja criada maior consciencialização ao nível dos actores – chave para a Gestão Costeira e Mudanças Climáticas; mobilizados os diferentes actores na implementação dos instrumentos para a Gestão Costeira e Mudanças Climática; partilhadas experiências entre as instituições nacionais e internacionais, bem como reforçada a partilha de coordenação intersectorial”, lê-se numa nota do MITADER recebida na nossa redacção.

Para além de instituições públicas irão participar no evento, sector privado, parceiros de cooperação, organizações não-governamentais, instituições de investigação e público em geral. Serão painelistas, académicos e activistas ambientais nacionais e, especialistas e peritos internacionais.

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content