FMF quer alargar base de votantes dos órgãos sociais

 

Realizou-se ontem, 6 de Maio, no auditório da Federação Moçambicana de Futebol (FMF), um encontro com diversos “stakeholders” do futebol Moçambicano. Este encontro enquadra-se no âmbito do trabalho que está em curso com a FIFA, relativo à revisão do modelo de governação e estatutos da FMF, tendo em vista a adopção de um padrão de governação na FMF que seja inclusivo com vários fazedores e agentes do futebol no país.

A reunião foi dirigida pelo presidente da FMF, Feizal SIDAT, acompanhado do Secretário-geral Interino, Hilário Madeira, e contou a presença de representantes das seguintes associações: Liga Moçambicana de Futebol; Sindicato de Jogadores de Futebol de Moçambique; Associação Nacional de Treinadores de Futebol de Moçambique; Associação Moçambicana de Imprensa Desportiva; Associação Moçambicana de Árbitros de Futebol (Em formação);

Feizal Sidat na sua intervenção disse que “como sabem, um dos pilares do nosso manifesto eleitoral foi a ‘INCLUSÃO’, onde prometemos integrar mais agentes no processo de decisão do futebol e alargar a base de votantes nas Assembleias Gerais da FMF”.

Sidat, explicou que esta visão está em linha com aquilo que a FIFA solicitou, e já na última Assembleia Geral (AG) da FMF, a FIFA deixou uma orientação clara para que a FMF alterasse o modelo de governação em vigor.

“Esta iniciativa é para as gerações vindouras, e demonstra que a actual direcção da FMF não tem receio da inclusão, e não pretende monopolizar o poder no futebol”, disse.

Ainda durante a sua intervenção, o presidente da FMF sublinhou, que como condição para estas terem poderes na AG da FMF, as associações devem obedecer os seguintes requisitos: Registo de entidade legal; Publicação de Estatutos no BR; Estatutos alinhados com a FMF/CAF/FIFA; Realização de Assembleias Gerais anuais; Prestação de Contas anuais; Eleições dos órgãos sociais de 4 em 4 anos; entre outros aspectos.

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content