Governo investe USD 300 mil para produção agrícola em estufa em Moamba

Com um investimento global de 300 mil dólares, o distrito da Moamba está a implementar um projecto-piloto de produção agrícola em estufa. O objectivo deste laboratório é estabelecer comparação entre as culturas em estufas e em ambiente aberto, de modo a encontrar melhores parâmetros de rendimento, em paralelo com uma troca de experiências entre os agricultores, tendo em vista o aumento dos níveis de rendimento e a qualidade do produto final para o consumidor.

Redacção

Virado essencialmente para a produção de hortícolas, o projecto vai ser financiado em 60 por cento, no momento da entrega de cada estufa ao agricultor. Os 40 por cento restantes serão alcançados mediante empréstimos aos produtores, por via de concurso de elegibilidade conformado ao perfil predefinido.

Com a realização deste projecto, pretende-se habilitar os produtores de hortícolas a manter um ritmo constante de rendimento, independentemente da época do ano. Associada a esta vantagem comparativa vai a inserção em cadeias comerciais, bem assim a diminuição dos custos no combate às pragas. A meta é instalar 66 estufas até ao fim do ano.

No entendimento de Leonor Neves, directora provincial da Agricultura e Segurança Alimentar, esta é uma oportunidade que o sector agrário, como todo um  sistema integrado, agricultores, parceiros e Governo têm de mostrar as diferentes opções agro-técnicas. Aqui, segundo a dirigente, a luta contra as adversidades climáticas traduz-se em resultados concretos, pois trata-se de produção em ambiente controlado.

Segundo Margarida Lemos, proprietária do Horizonte Verde, o uso de tecnologias é a melhor forma de monitorar as culturas. “Há 20 anos que estou nesta área, produzo hortícolas, feijão, pimento, tomate, cebola, entre outros. Quando cheguei aqui, tive de desmatar, fiz rega por gravidade. Em 2011, já tinha hectares para o sistema gota a gota, sem energia. Hoje, tenho 100 hectares e possuo energia”, explica Lemos.

Entretanto, para Ionilde Cuinhane, coordenadora do projecto-piloto, a diminuição da incidência de pragas e doenças bem como o menor uso de pesticidas reduzem o gasto de dinheiro, que o produtor tem na aquisição desses insumos, porque nas estufas o ambiente é protegido.

Até ao final da presente época, serão instaladas 66 estufas, estando já operacionais 58, sendo que o sucesso deste projecto-piloto pode determinar a expansão ou não para um número maior e que abrange as outras províncias.

Durante a visita ao campo da produtora Lemos, outros agricultores de outros pontos da província de Maputo tiveram a oportunidade de observar de perto as vantagens da tecnologia de estufa, como também estabelecer uma base comparativa entre os resultados de produzir a céu aberto e de produzir em ambiente controlado.

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content