Governo moçambicano angaria USD 1.2 mil milhões para a reconstrução pós Ciclones

 

O Governo moçambicano anunciou, na tarde do passado sábado, no fim da Conferência Internacional de Doadores, na cidade da Beira, ter angariado junto de parceiros internacionais cerca de 1.2 mil milhões de dólares norte americanos, o equivalente a um terço dos pouco mais de 3.2 mil milhões necessários para a reconstrução das zonas afectadas pelos ciclones Idai e Kenneth.

Texto: Aristides Mbofana, na Beira

De acordo com o relatório do PDNA, para a reconstrução das zonas afectadas pelos ciclones Idai e Kenneth, são necessários um total 3.2 mil milhões de dólares, valor considerado pelo Governo de Moçambique elevado, face às necessidades dos projectos implementados nas zonas afectadas e do volume do PIB.

Falando na ocasião, diante de parceiros e outros intervenientes, o Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, recordou que muitas infra-estruturas públicas e privadas ficaram danificadas, com destaque para a área de Transporte e Comunicações, onde estradas, rede de telefonia móvel, postes para o transporte de energia, pontes, para além de um total de 800 mil hectares de áreas agrícolas que ficaram inundadas.

O PR disse ainda que o país poderá, nos próximos seis meses, registar um elevado número de pessoas com problemas alimentares ou de desnutrição crônica, por não terem conseguido conservar comida suficiente.

 “Saudamos a pronta intervenção dos parceiros internacionais no apoio às vítimas dos ciclones Idai e Kenneth, que, em curto espaço de tempo, fustigou as sete províncias das regiões centro e norte do país. Saudamos ainda aos parceiros na materialização de ideias para que a Conferência Internacional de Doadores se tornasse uma realidade. Os fundos necessários são maiores, mas 1/3 foi conseguido, podemos dizer que estamos num bom passo”, disse. 

Nyusi referiu que os fundos serão alocados em sectores como da Agricultura, Indústria e Comércio, Turismo, Transportes, Energia, incluindo recuperação de infra-estruturas de saúde e educação. Importa referir que, segundo o PR, os sectores produtivos merecerão destaque no acto de financiamento, após a aquisição dos fundos juntos dos doadores.

“É preciso dar prioridade aos sectores produtivos da indústria e comércio, para incentivar o desenvolvimento nas zonas afectadas pelos ciclones”, disse       Nyusi, agradecendo os esforços junto aos parceiros de cooperação na materialização de ideias para a angariação dos valores para a reconstrução, e saudou a pronta intervenção de todos na mobilização dos fundos.

Entretanto, o Chefe do Estado moçambicano entende que deve haver um canal único onde passarão a ser depositados todos os financiamentos, para permitir que no final do dia se saiba quanto entrou, o que foi gasto, bem como o que foi consumido e os respectivos resultados.

Para a logística desta conferência, que reuniu cerca de 700 pessoas, foram necessários 12 milhões de meticais.

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content