Governo sul-africano aposta na tecnologia para reduzir desigualdades

 

O governo sul-africano está a acelerar as políticas destinadas a utilizar a tecnologia digital para reduzir as desigualdades, criar oportunidades e colher os benefícios das Tecnologias de Informação e Comunicação para um renascimento social e económico pós-pandémico.

Esta foi a mensagem da Ministra das Comunicações, Telecomunicações e Serviço Postal da África do Sul, Stella Ndabeni-Abrahams. A ministra discursou na Cimeira “Melhor África” no AfricaCom2020, o maior evento de telecomunicações, meios de comunicação e tecnologia em África, que teve lugar virtualmente de 9 a 12 de Novembro.

Ndabeni-Abrahams disse que a comissão da Quarta Revolução Industrial (4IR) do Presidente Ramaphosa já fez várias recomendações chave que foram aprovadas pelo Gabinete. Estas incluem o compromisso de investir no capital humano, o estabelecimento de um Instituto de Inteligência Artificial, a criação de uma plataforma para o fabrico avançado, novos materiais e o apoio a dados de segurança para permitir a inovação.

A Ministra felicitou aos organizadores da Cimeira Huawei pelo evento, que veio “quando as pessoas em todo o lado estão a se posicionar para desempenharem um papel significativo na Quarta Revolução Industrial (4IR)”.

“A tecnologia pode abordar os problemas de desenvolvimento mais difíceis enfrentados pela África do Sul e pelo resto do continente”, referiu Ndabeni-Abrahams. “Ao apoiar as PMEs no desenvolvimento de tecnologia que irá optimizar a prestação de serviços em sectores como a saúde, educação e transportes, podemos simultaneamente melhorar o bem-estar dos nossos cidadãos e tornarmo-nos globalmente competitivos”.

Ndabeni Abrahams afirmou que a COVID-19 tinha confirmado a crença do governo nos dados como um catalisador para a transformação digital e o crescimento económico através de tecnologias e inovações digitais.

Ela disse que isto tinha informado a nova Política de Dados e Nuvem do governo, que visava melhorar o acesso dos cidadãos aos dados e encorajar um novo pensamento sobre o mundo do trabalho.

Fazendo eco do sentimento da Ministra, Leo Chen, Presidente da Huawei na Região da África Subsaariana, apontou a pandemia que desencadeou uma mudança a longo prazo no comportamento das pessoas para se manterem em linha.

“Assistimos recentemente ao surgimento de novas exigências de trabalho de casa, de compras em linha e de ensino doméstico, com o tráfego de dados a aumentar mais de 40% e os serviços digitais a florescer em toda a região da África Subsaariana. Estamos gratos por ver que os governos africanos responderam rapidamente à crise, reforçando o papel das Tecnologias de Informação e Comunicação na luta e recuperação, quer através da libertação de espectro temporário, quer através de recomendações políticas”, referiu Chen.

Também falando na AfricaCom, Sharoda Rapeti, um parceiro não executivo da empresa de consultoria Delta Partners, disse que as Tecnologias de Informação e Comunicação poderiam ser “aceleradores de crescimento” na construção de uma economia pós-pandémica resiliente através de modelos de partilha de infra-estruturas e do aumento do investimento.

Ao apresentar os resultados de um inquérito pandémico, Rapeti observou que tinha havido um aumento da conectividade a nível regional em África e sinais de uma procura reprimida de soluções baseadas na Nuvem. 

“Cerca de 58% dos líderes africanos inquiridos viram a pandemia como um acelerador da indústria”, referiu Rapeti, antes de acrescentar que “estes resultados apontam para boas perspectivas para o sector das telecomunicações em África, desde que adoptemos a abordagem certa ao investimento e às parcerias e implementemos infra-estruturas de conectividade em larga escala ao ritmo certo”.

O Secretário-Geral da ATU, John Omo, disse que a indústria das Tecnologias de Informação e Comunicação estava a tornar-se no novo motor de crescimento económico global.  

“Resolver o fosso da desigualdade digital deve ser o nosso objectivo comum para permitir que aqueles com conectividade, ferramentas e competências digitais, e aqueles sem acesso ao mundo digital, se possam encontrar num ponto central”, referiu Omo.

Omo apelou a políticas e regulamentação que encorajem o investimento na implantação de redes e na partilha passiva de infra-estruturas entre operadores. Ele também apelou à simplificação dos processos de regulamentação e à atribuição atempada de espectro para tecnologias novas e em evolução, de acordo com os protocolos da indústria.

Ele disse que Governos, instituições e organizações das Tecnologias de Informação e Comunicação precisavam de equipar a força de trabalho com as mais recentes competências das Tecnologias de Comunicação e Informação, para que pudessem permanecer competitivos numa economia digital em rápida expansão. Também apelou a um apoio institucional contínuo à inovação, como na recente parceria da ATU com a Huawei sobre o ATU Africa Innovation Challenge 2020.

“A colaboração entre os intervenientes é o caminho que devemos seguir para desenvolver África e reforçar a contribuição das Tecnologias de Comunicação e Informação para o bem-estar do nosso povo”, afirmou.

 

 

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content