Leão não dá detalhes sobre as empresas: “Remeto ao António Carlos de Rosário”

Tal como ontem, Gregório Leão tem estado a apontar a António Carlos de Rosário como a possa indicada para responder às perguntas ligadas a EMATUM, MAM e ProIndicus, uma vez que o antigo director da Inteligência Económica do SISE era, simultaneamente, Presidente do Conselho de Administração (PCA) das três empresas.
Vezes sem conta, dá respostas vagas, recusando-se a prestar informações mais detalhadas. À título de exemplo, foi questionado pela procuradora Ana Sheila Marrengula sobre as razões que o levaram a solicitar emissão de garantias para a MAM no valor de 750 milhões quando o contrato era de 540 milhões de dólares. Em resposta, disse que houve necessidade de aumentar o valor para dar vazão a “determinados trabalhos”, dos quais disse não se lembrar.
“Não tenho pormenor neste momento mas o [António Carlos de] Rosário pode dar melhor clareza”, disse o réu, tendo acrescentado que, enquanto “número um” do SISE, tinha várias tarefas, pelo que não tinha tempo para inteirar-se dos detalhes. Confirmou, no entanto, que foi ele próprio quem assinou o pedido de emissão de garantias, tal como revelam os autos. D&F

Mais  Destaques

error: Conteudo protegido!!
Scroll to top
Skip to content