Moçambique impressiona no Mundial de Boxe

A Selecção Nacional de Boxe teve uma estreia de sonho, na sua primeira participação num mundial da modalidade, que teve lugar entre 15 e 24 de Novembro, na cidade de Nova Deli, capital da Índia. Desconhecidas e sem muita experiência de grandes competições, as atletas da selecção nacional acabariam por se tornar a grande surpresa da competição.

Texto: Redacção

Ambas pertencentes à Academia Lucas Sinoia, as pugilistas moçambicanas Rady Gramame e Alcinda Panguana tiveram uma estreia de sonho, ao conseguir duas vitórias, naquilo que se tornou a melhor participação do boxe moçambicano em grandes competições intercontinentais.

Entretanto, a participação das duas moçambicanas viria a terminar diante de atletas alemãs, mas mesmo assim em combates bem disputados. Aliás, um dos combates foi altamente contestado pelo público, quando os juízes deram vitória à pugilista alemã sobre Alcinda Panguane, por apenas um ponto de diferença.

Para o presidente da Federação Moçambicana de Boxe (FMB), Gabriel Júnior, a participação da selecção nacional foi histórica, não só pelo facto de ter sido a primeira vez num mundial, como também pela forma como as atletas representaram o país.

“Foi histórica a nossa participação no nosso primeiro campeonato mundial. Foi gratificante ser visto como a selecção ‘surpresa’. Estamos orgulhosos do percurso que fizemos. Já iniciámos a nossa preparação visando conferir mais tarimba às nossas selecções, com a rodagem internacional, para a próxima batalha, o Campeonato Africano do Boxe, onde Moçambique já conseguiu a qualificação por ser o campeão da zona Austral”, sublinhou Gabriel Júnior.

Ao africano de boxe, o combinado nacional vai com olhos postos na qualificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio, pelo que os atletas nacionais terão de se aplicar a fundo, para mais uma vez poderem estar na fina flor do boxe intercontinental.

“Daqui em diante, nenhum país ficará sossegado ao ouvir falar do Moçambique como adversário. Escrevemos o nome de Moçambique nos anais do boxe mundial. Continuaremos a trabalhar focados nas conquistas. Quero agradecer a todos pelo suporte”, disse Gabriel Júnior ao Dossiers & Factos.

Refira-se que Moçambique participou com apenas três atletas, nomeadamente Rady Gramane, Alcinda Panguana e Benilde Macaringue, acompanhadas pelo seleccionador, Lucas Sinoia, e o SG, Hélio Dabo.

Para chegar ao Mundial de Nova Deli, Rady Gramane, Alcinda Panguana e Benilde Macaringue foram medalhas de ouro no Campeonato Regional de Boxe da Zona IV, havido na cidade de Maputo, em Fevereiro do ano em curso.

Rady Gramane é o grande nome do boxe feminino nacional actualmente. A atleta foi medalha de bronze nos Jogos Africanos de Congo Brazzaville, em 2015, para além de ser a actual campeã nacional dos 75 Kg. Enquanto Alcinda Panguana é uma jovem promessa desta modalidade, que disputa a categoria dos 69 Kg e Benilde Macaringue combate nos 51kg.

Desde que o actual elenco federativo assumiu funções, Moçambique tem vindo a lograr grandes conquistas. Em 2017, pela primeira vez no período pós-independência, a Selecção Nacional de Boxe sagrou-se campeã regional da zona IV de boxe, ao conquistar seis medalhas de ouro.

Para este elenco, “é uma honra conseguir feitos inéditos na nossa história a nível de resultados desportivos. Com apenas um ano e meio de mandato, este ano foi de um início da caminhada que se augura ser de um futuro de glória, pois, pela primeira vez na história, saímos de lugares medianos para tornamo-nos campeões da África Austral, onde estão integrados 14 países, alguns destes países com títulos mundiais. Ainda este ano, conseguimos a participação no campeonato do mundo, pela primeira vez na história de Moçambique, conseguimos os melhores resultados de sempre, até aqui. Estamos felizes”, destacou Gabriel Júnior.

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content