O assustador começo de 2021

Muito por culpa da Covid-19, o balanço de 2020 é consensualmente negativo. Nesse contexto, 2021 era visto como o ano da esperança, com a maioria a acreditar que as carruagens da vida voltariam aos carris. Mas o difícil início faz com que se perspective um ciclo de 365 dias que, muito provavelmente, será pior que o anterior, pelo menos em Moçambique.

Às mortes provocadas pelos desastres naturais e pela guerra que grassa na província de Cabo Delgado, soma-se uma invulgar onda de mortes de figuras públicas, ligadas aos mais diferentes sectores de actividades, com particular destaque para política e artes.

Em finais de Janeiro, morreu Calane da Silva, vítima de Covid-19. Multifacetado, Da Silva era escritor, poeta, ensaísta e jornalista, tendo exercido funções de chefia na Televisão de Moçambique e no Jornal Notícias. O autor do célebre livro “Xicandarinha na lenha do mundo” morreu com 76 anos de idade.

Já antes, a 11 de Janeiro, tinha perecido o empresário e promotor musical Adelson Mourinho, conhecido nos meandros artísticos como Bang. Fundador da Bang entretenimento, é tido como um dos grandes responsáveis pela época dourada do pandza, estilo musical criado ao longo dos anos 2000. Perdeu a vida aos 41 anos, derrotado por um tumor no estômago. No mesmo mês, partiu Cadmiel Muthemba, antigo ministro das Obras Públicas e Habitação.

No dia 22 de Fevereiro, o país foi surpreendido com a notícia da morte de Daviz Simango, deixando um vazio no Movimento Democrático de Moçambique e no Município da Beira, instituições de que era presidente, mas na política nacional de forma geral. À semelhança de Bang, Simango perdeu a vida na vizinha África do sul, para onde fora evacuado quando o seu estado de saúde piorou.

No dia seguinte, seria a vez de outro político partir deste mundo, desta feita Francisco Itai Meque, antigo governador das províncias de Inhambane e Zambézia e vice-ministro da Educação. Também vítima de doença, à data de sua morte, Itai Meque era administrador não executivo da Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB).

Mais recentemente, seguiram o mesmo rumo, igualmente acometidos por enfermidades, Abdul Carimo, Hortêncio Langa e Oldemiro Balói. Abdul Carimo serviu o país como presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), cargo que ocupou por sete anos. Hortêncio Langa é tido como dos nomes maiores da música moçambicana, sendo que, para lá de cantor, era escritor e docente de música na Universidade Eduardo Mondlane. Já Oldemiro Balói foi ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação entre 2008 e 2017.

A lista de figuras proeminentes que pereceram nestes primeiros quatro meses de 2021 vai longa e inclui os comunicadores Mário Ferro e Juma Aiuba, bem como a ex-presidente do Município de Chókwè, Lídia Frederico Cossa.

Não haverá, provavelmente, na jovem história de Moçambique, memória de um começo de ano tão devastador. É, definitivamente, um início para esquecer!

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content