OMS declara emergência de saúde internacional devido ao coronavírus

 

Agência da ONU acredita que declaração poderá proteger países com “sistemas de saúde mais fracos”. Apesar de emitir novas recomendações, OMS defende que declaração não interfira em negócios e viagens pelo mundo, escreve a DW.

Texto: Dossiers & Factos

A publicação avança que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que o novo surto de coronavírus pelo mundo é uma emergência de saúde pública internacional.

De acordo com a DW a agência de saúde da ONU descreveu a declaração de emergência como um “evento extraordinário”, uma vez que vários países estão em risco.

O órgão avança que com a declaração, a OMS admite a necessidade de uma resposta global coordenada para conter o vírus, cujos efeitos fizeram-se perceptíveis de forma mais expressiva na cidade chinesa de Wuhan há três semanas. Além disso, a medida faz com que a OMS possa emitir recomendações a serem seguidas em nível global por países afectados ou não pelo vírus. 

Ainda segundo a fonte em alusao, o director-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse, em conferência de imprensa, que a principal razão para esta declaração não é o que acontece na China, mas o que ocorre em outros países. 

“A nossa maior preocupação é o potencial de propagação deste vírus para países com sistemas de saúde mais fracos, que estão mal preparados para lidar com ele”, esclareceu Ghebreyesus, referenciado pela DW.

Ghebreyesus defendeu que cooperação mundial para ajudar os países em desenvolvimento a lidarem com o problema, trabalhar em conjunto por vacinas e diagnósticos, bem como fazer a revisão de planos de saúde pública.

De referir que na última década, foi declarada apenas cinco vezes a emergencia de saúde internacional.

Segundo a agência Reuters, em 2009, por ocasião do vírus H1N1 que causou epidemia de gripe; em 2014, nas epidemias de ébola no oeste da África e de pólio; em 2016, com a epidemia de Zika no Brasil; e em 2019, com a epidemia (ainda em curso) de ébola na República Democrática do Congo.

 

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content