RTP, RDP-África e SIC acusados de ingerência na Guiné-Bissau

A instabilidade política que se vive na Guiné-Bissau tem três nomes: RTP, RDP-África e SIC. Quem o diz é o próprio executivo daquele país, para quem os órgãos de informação em causa são os autores do “ódio instigado, dos desentendimentos induzidos, da conflitualidade e da instabilidade política”.

Através de um comunicado, o porta-voz do governo Bissau-guineense, Fernando Vaz, alega que estes meios de comunicação portugueses se têm comportado como órgãos de comunicação oficiosos de um dos partidos políticos.

“A permanente e sistemática violação de princípios democráticos básicos e universalmente consagrados, que regem relações internacionais, desonrando o Estado da Guiné-Bissau, as suas instituições soberanas e os seus cidadãos atingiu o limite do tolerável, razão pela qual o Governo da Guiné-Bissau manifesta o seu repúdio e protesto pela persistência destes órgãos de comunicação em destruir a amizade que une os nossos povos e estados”, lê-se no documento.

Mais  Destaques

error: Conteudo protegido!!
Scroll to top
Skip to content