“Vastidão da costa moçambicana dificulta combate a tráfico de drogas” – SERNIC

 

O director-geral do Serviço Nacional de Investigação Criminal (SERNIC), Domingos Jofane, disse, esta quarta-feira, em Maputo, que a vastidão da costa moçambicana torna difícil controlar as incursões dos traficantes estrangeiros que fazem de moçambique destino e corredor das drogas.

Texto: Arão Nualane

Domingos Jofane fez essas declarações durante a abertura do conselho coordenador do SERNIC, esta quarta-feira, onde vincou que pela sua natureza o tráfico de drogas envolve uma rede internacional de criminosos que se aproveitam de alguma fragilidade que existe na protecção da costa.

“Não é fácil controlar, porque a costa é vasta. Não seria fácil nós nos posicionarmos com os nossos meios e homens em cada milímetro da nossa vasta costa”, reconheceu o director-geral do SERNIC, quando questionado sobre a recente situação em que uma embarcação tripulada por estrangeiros, aparentemente de origem asiática, foi interceptada transportando drogas nas águas costeiras da província nortenha de Cabo Delegado, numa acção coordenada entre o SERNIC e as FADM.

De acordo com Jofane a acção do SERNIC “é uma demonstração inequívoca do cometimento das instituições moçambicanas de aplicação da lei no combate ao crime, sobretudo organizado”.

 

Para Jofane, o que aconteceu foi dentro de um trabalho inteligente, onde se aperceberam da aproximação de um barco que transportava carga proibida, ou seja, droga e fizeram-se ao mar no sentido de enfrentar os criminosos, que incendiaram o barco como forma de destruir as provas criminosas.

“Conseguimos capturar doze e neste momento estão a contas com as instituições de justiça. Estima-se que a quantidade de droga que os criminosos levam era de uma tonelada e meia”, esclareceu Jofane.

De referir que o conselho coordenador do SERNIC arrancou esta Quarta-feira e o seu fim está previsto para sexta-feira desta semana.

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content