Suposto financiamento à Junta Militar: Nyongo diz que é estratégia de Nyusi e Momade

Reagindo em torno das declarações de seis supostos guerrilheiros da Renamo, capturados na Zambézia, que acusam algumas figuras da Renamo de estarem a financiar as suas operações, o líder da autoproclamada Junta Militar, Mariano Nyongo diz tratar-se de uma estratégia do Presidente da República, Filipe Nyusi e o presidente da Renamo, Ossufo Momade para silenciar aqueles membros e deputados, com vista a apagar todo o legado de Afonso Dhlakama, uma vez tratar-se de pessoas que eram leais ao falecido líder e faziam parte do seu núcleo duro .

Nyongo começa por negar qualquer ligação dos jovens supostamente capturados na Zambézia com a Junta Militar e garante o seu grupo nunca teve uma frente fora de Sofala. Em teleconferência para jornalistas na Beira, a partir da parte incerta, Nyongo negou que tenha alguma vez recebido apoio, qualquer que seja, das figuras referenciadas.

Aliás, a dado momento trata as referidas figuras de traidores por terem apoiado Ossufo Momade na última campanha eleitoral.

“Não temos grupo na Zambézia. Nós estamos só na província de Sofala. Nós não temos nada a ver com isso. A Junta Militar nunca teve apoio daqueles deputados, até porque aquelas figuras apoiaram a campanha de Ossufo Momade. Aquilo não passa de uma montagem entre Nyusi e Ossufo, mas estão a se enganar”, sublinhou.

Para reforçar a sua posição, Nyongo diz inclusive que foi, alegadamente para preparar este expediente que Ossufo Momade viajou de Nampula a Maputo, semana passada, estando hospedado numa estância turística da capital, mantendo apenas contacto com um grupo selecto de membros do seu partido.

Governo continua a ignorar exigências da Junta Militar

Na ocasião, Nyongo revelou que não existe nenhum contacto entre o seu grupo e o Governo e que até o momento ainda não receberam nenhuma resposta do documento que foi submetido na Presidência da República, com as exigências para aceitar a desmobilização.

Sem confirmar a autoria dos ataques que se registam nos últimos dias na EN6 e EN1, Nyongo diz que em vez de mandar as Forças de Defesa e Segurança (FDS) perseguir seus homens, Nyusi devia preocupar-se em responder o documento que a Junta Militar submeteu com as exigências.

 “A Junta Militar não quer guerra, quer apenas negociar. O Presidente da República já tem documento da Junta Militar lá, mas não quer se pronunciar sobre o mesmo. Agora insiste no diálogo com Ossufo Momade para destruir a Renamo e a Junta Militar não quer o desaparecimento do nosso partido”, sublinhou.

Ainda sobre a ordem de perseguição e responsabilização do seu grupo, disse que Nyusi está a ser enganado pelos seus generais, que supostamente terão garantido que são capazes de acabar com a Junta Militar e acrescenta que não vai ser fácil.

“Uma pessoa com armas e conhecimento das matas é difícil apanhar. Ele é civil e quando lhe informam, concorda, sem saber o que realmente isso significa no teatro de operações. Não é fácil. Samora lutou com a Renamo e prometia apanhar o presidente Dhlakama, mas não o apanhou, Chissano quando entrou falou mesma coisa, Guebuza idem. Ele também não conseguiu e hoje diz que vai apanhar o Nyongo. É uma brincadeira o que estão a fazer”, afiançou.

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content