Uma iniciativa da fundação fernando leite couto: “Gosto de Ler” dá vida à obra inédita de Albino Magaia

 

O lançamento do inédito romance “Duas Vidas à Procura do Mar”, do já falecido conceituado jornalista e escritor Albino Magaia, serviu de pretexto para a Fundação Fernando Leite Couto homenagear o escritor, que abriu com chave de ouro o projecto “Gosto de Ler”, uma recriação de uma rubrica por si assinada, na então revista Tempo.

 Texo: Albano Uahome

O lançamento do livro de ficção do escritor e jornalista, que faleceu há nove anos, e do projecto “Gosto de Ler” teve lugar na passada terça-feira, e contou com a presença de familiares, amigos, admiradores, convidados, altas individualidades, bem como figuras ligadas à área de jornalismo, artes e letras.

De acordo com os mentores da ideia, a escolha do autor para abrir a colecção “Gosto de Ler” foi a maneira encontrada para homenagear aquele que é considerado um dos melhores jornalistas e escritores do país, autor de vários livros e crónicas moçambicanas.

Celso Muianga, colega que privou largamente com Magaia, convidado para tecer algumas palavras, falou da dimensão humana e artística do homenageado, onde destacou que este era uma pessoa bastante criativa e cheia de ideias, com um vasto espólio de contos inéditos.

Leia Magaia, viúva do escritor, falando aos convidados e amantes da literatura, disse que o marido faleceu enquanto estava a trabalhar em novos livros, com destaque para o recém-lançado, a título póstumo, intitulado “Duas Vidas à Procura do Mar” e outros contos e crónicas sobre o país, sobretudo da província do Niassa, onde viveu algum tempo.

Realçou que acompanhou o processo criativo dele nos últimos anos de vida e que também conhecia os planos dele, em termos de publicações. Além de contos em livro, Albino Magaia deixou crónicas inéditas, que gostaria de ter visto publicadas.

Albino Franciso Magia nasceu a 27 de Fevereiro de 1947, veterano da luta contra o regime colonial português, chegou a ser preso pela PIDE, o que lhe valeu a obra “Yô Mabalane”. Albino Magaia era director da revista Tempo, onde criou a secção “Gostar de Ler”.

Na juventude, foi membro do Núcleo dos Estudantes Secundários Africanos de Moçambique, mais tarde membro do Conselho de Administração da Sociedade Notícias, onde foi um dos impulsionadores da Organização Nacional de Jornalismo, actualmente Sindicato Nacional de Jornalismo. Albino Magaia foi membro fundador da Associação dos Escritores Moçambicanos. 

 

 

Mais  Destaques

Scroll to top
Skip to content